segunda-feira, 18 de junho de 2018

POESIA SENSUAL BY kgkati

FASCINAÇÃO

Busco em teus olhos
O desejo velado
Com que me despes
Ao jogar minhas roupas no chão.
Provoco tua excitação
Acariciando minhas partes nuas
Ora minhas, ora tuas.
No suor salgado
O gosto do pecado que me serves
O cheiro de tesão.
A busca incansável 
Que nos teus olhos decifro
O desejo enleado que define
Fascinação

KGKati


sábado, 16 de junho de 2018

Poesia sensual e vídeo by KGKati

TRILHA DA PAIXÃO



Deixo a paixão me levar
Onde o céu é mais azul
Onde não há norte ou sul
Onde há perdição
Atraso e rendição
Vou ao ponto exato
É fato
Que desvendo a trilha
Que a paixão compartilha
Nos álbuns da minha pele
Em alta definição.




Deixo o calor me queimar
Onde o corpo é mais febril
O desejo é mais vadio
O gemido é mudo
Fala mais que tudo
Desenha em aquarela
Revela
O sentir na ponta dos dedos
Desvia os medos
Mistura o real e o absurdo.




Deixo meu corpo falar
No sinal da sua pele
Cada poro que revele
O que é sedução
Ansiedade, atração.
E me faço entender
No declarar, no querer.
Leio em seus versos
Declamo seu corpo em meus lábios
E deixo a paixão me levar
Direto ao seu coração




KGKati





sexta-feira, 15 de junho de 2018

Poesia sensual by Emy Book & Gilson Rodrigues


Me pega, me chama
Me olha, me provoca
Depois não se esconda
Me pega, me chama
Me conquista, me ama
Depois não apavora
Me pega, me chama
Me excita, me toca
Depois não corre se fecha a porta
Me pega, me chama
Me proclama, me declama
Depois não pode ter vergonha.
Me pega, me chama
Me alucina, me fascina
Depois diz, que só  sonha.
Me pega, me chama
Me degusta, me devora
Depois não pode jogar fora.
Me pega, me chama
Me vira, me monta
Depois me olha atrevida
Me pega, me chama
Me bate, me morde
Depois não esconde as marcas
Me pega, me chama
Me enlouquece, me enfeitiça
Depois diga que será só minha
Me pega, me chama
Me cicloniza, me delícia
Depois não diga, que  você me vicia.
Me pega, me chama
Me beija, me extasia
Depois não diga, que é só fantasia.
Me pega, me chama
Me esquenta, me goza
Depois não diga, que sou tão fogosa.
Me pega, te chamo
Me abraça, te amo
Depois com toda malícia
Me pega, te chamo
Me surpreenda, me reviva
Depois  deixa tempo conduzir a vida
Me pega, te chamo
Me guarda, me escreve
Depois ficaremos eternizados em poesia
Me pega, te chamo
Me conforta, me acalenta
Depois da nossa loucura, que só inventa.
Me pega, te chamo
Me adoce, me gama
Depois, adormece em minha cama.
Me pega, te chamo
Me ensina, me mima
Depois somente dizer,
Eu te quero...
PEGADA
Gilson Rodrigues & Amy Book
Direitos autorais reservados®

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Poesia Protesto By KGKati

FILHOS DO BRASIL
Como pode o mundo
Sobreviver aos cuidados mundanos
De pessoas sem brios
Pensamentos insanos
Falta de escrúpulos
Convocando discípulos
Tão facilmente.
Gente que mente
Engana trapaça.
Mata e acha graça
Destrói as famílias
São ilhas
Nadando em dinheiro
Sem fedor nem cheiro
Horríveis demais
Lembram funerais
De adolescentes
Tão jovens e dementes
Loucos por crack
Maconha, heroína e... Fraque
No corpo de um figurão
Com iate, status e avião.
Que não liga pro pobre coitado
Que sempre acaba algemado
Por vender sua mercadoria
Divulgando a própria caligrafia
Por abastecer o seu copo
Com o melhor dos “wiski importado”
Como pode o mundo
Sobreviver aos cuidados mundanos
De gente por baixo dos panos
Contando fortunas, riqueza.
E muitos sem nada na mesa
Roubando pra ganhar o pão
Afinal, exemplo já teve.
Que pena! Pátria minha em greve
Dormindo na corrupção!

KGKati

domingo, 10 de junho de 2018

TE QUERO


EU FAÇO AMOR COM VOCÊ

Ele passa a língua lentamente no meu lábio superior. Ficamos olhos nos olhos; nos observando e avaliando. Logo, em seguida, me beija de forma profunda
e intensamente, tirando-me o fôlego.
Sussurra em meu ouvido:
- "Vou beijar, morder e lamber-lhe toda."
Dou acesso ao meu pescoço.
Seus lábios macios deslizam pinicando minha pele, devido a barba por fazer.
Realmente não está para brincadeira.
Meu corpo eriçado pela hipersensibilidade. Sinto entre minhas pernas um calor arredio, minha boceta sendo coroada pelos líquidos lubrificantes.
Pulsa.
Pulsa.
Ah! como pulsa.
Toco-lhe o rosto, mergulhando os dedos em seus cabelos.
Suas mãos tateiam as cegas de modo obsceno, meu corpo, em um jogo lúdico.
Apertando-me a bunda,
os mamilos, os quadris.
Desce pelo pescoço esculpindo uma trilha de saliva, a língua passeia em movimentos circulares pelas auréolas. Os dentes serrando os mamilos em leves mordiscadas.
Meu corpo começa a estremecer e meus quadris respondem,
entre um rebolado e outro.
Sinto seu hálito quente em minha pele, chegando até o umbigo, onde enfia a língua, junto com seus dentes passa em minha barriga com delicadeza.
Em um movimento rápido senta-se e ajoelha aos meus pés, segurando os tornozelos, abre minhas pernas.
Começa beijar meus tornozelos, e agarro aos lençóis da cama; respiração entrecortada, o tesão domina feito animal cativo.
Quando penso que cansou de brincar, ele mostra seu lado mais viril.
- Pare não suporto mais, te quero dentro de mim.
Ele olha para mim e sorri, aquele sorriso safado, de quem tortura a presa antes do abate.
Em seguida, enfia a cara na minha boceta, e começa a lamber e chupar, intercalando com leves dedilhadas.
Meus olhos se comprimem e a voz oxidada é borrifada nas paredes em gemidos guturais.
Delírio.
Ele é incansável, como quem aguardou anos para concluir sua vingança.
- A porra eu vou gozar!
Não aguento e gozo em sua boca, ele chupa tudo como se fosse uma fruta. Meu corpo fica em brasa e me sinto fraca . E sua boca continua torturando-me.
Minhas pernas bambeavam,
não deu tempo para recuperação.
Ele veio penetrando, metendo sem parar, com força.
Ele simplesmente diz:
- "Goza pra mim, minha putinha!"
Eu grito: - Filho da puta!
Gozei de novo, ficando molinha, e ele sem parar, goza em seguida.
A porra quente vem escorrendo pelas minhas coxas.
Em seus braços me aconchego, e nossas pernas entrelaçadas, ali descansam.
Diminuindo o ritmo de nossa respiração.
Um beijo úmido assina o nosso ato.
Em seguida, ele sussurra em meu ouvido:
-"Te Amo!"

Amy Book